segunda-feira, 30 de abril de 2012

Ônibus movido a biodiesel e eletricidade será lançado na Rio 20


(foto: Valdecir Galor/SMCS)
O prefeito Luciano Ducci anunciou que o ônibus movido a biodiesel e eletricidade de Curitiba (hibribus), o primeiro da América Latina, será lançado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que acontecerá de 13 a 22 junho.
"Temos um histórico de referência internacional em transporte. Saímos na frente novamente com o hibribus, mantendo o compromisso de Curitiba com a inovação e o cuidado com o meio ambiente", disse Luciano Ducci. O anúncio foi feito durante a inauguração da nova sede da Unidade de Saúde São Braz, na Regional Santa Felicidade. 
O hibribus será fabricado pela Volvo em Curitiba.  A unidade da Volvo na capital será a primeira a fabricar híbridos fora da Suécia e a primeira a ter os veículos operando em uma linha convencional. A Prefeitura encomendou a Volvo 60 ônibus híbridos. Os primeiros começarão a  circular ainda em 2012.
A primeira linha de Curitiba a ter o hibribus será a do Interbairros 1, que circula em bairros no entorno do Centro. Na segunda etapa, os ônibus híbridos atenderão as linhas Detran-Vicente Machado, Água Verde-Abranches, Ahú-Los Angeles, Juvevê-Água Verde e Jardim Mercês-Guanabara. 
O hibribus tem dois motores, um a biodiesel e outro elétrico, que funcionam em paralelo ou de forma independente. O motor elétrico é utilizado para arrancar e acelerar o ônibus até uma velocidade de aproximadamente 20 quilômetros por hora, e também como gerador de energia durante as frenagens.
O motor a biodiesel entra em funcionamento em velocidades mais altas. A cada vez que se acionam os freios, a energia de desaceleração é utilizada para carregar as baterias. Quando o veículo está parado, seja no trânsito, em pontos de ônibus ou em semáforos, o motor biodiesel fica desligado. 
Estudos da Volvo demonstram que o tempo que o veículo fica parado pode representar até 50% do período total de operação do ônibus. Durante todo esse tempo, não há emissões de poluentes, pois o motor biodiesel se apaga completamente.

Comil Svelto V chega com força total no Recife

A nova versão do modelo urbano mais famoso da Comil, o Svelto V, acaba de chegar ao Recife. Três empresas trazem grandes lotes. Alguns, inclusive já entraram em circulação.
A primeira a trazer a novidade foi a Globo. Cliente de longa data da Comil, os veículos possuem chassi Mercedes-Benz OF-1722 e tem bancada alcochoada, estando divididos entre tamanho padrão e alongados.



Créditos: Thiago Santos/Ônibus Brasil


Depois, a Cidade Alta também começou a surgir com suas novidades. O Svelto V vem encarroçado nos chassis Volkswagen 17-230 EOD V-Tronic e Mercedes-Benz OF-1722, todos tamanho padrão.
Créditos: Carlos Jose Gomes/Ônibus Brasil


A Itamaracá não ficou pra trás: está trazendo 30 unidades do novo Svelto V, todas no chassi Volkswagen 17-230 EOD V-Tronic alongados. A surpresa é que a empresa volta a comprar carros na sua cor padrão, após 4 anos.
Créditos: Adão Henrique dos Santos/Ônibus Brasil

Créditos: Tulio Rabelo/Ônibus Brasil


Comil oferece serviço de pós-vendas para garantir satisfação total do cliente


Comil oferece serviço de pós-vendas para garantir satisfação total do cliente

Atenta à satisfação do cliente, a fabricante gaúcha de ônibus Comil inova com mais um serviço. A Comil desenvolveu um projeto-piloto para a empresa de transporte coletivo Viação Riodoce, dando suporte técnico aos seus funcionários. Segundo o engenheiro de Pós-Vendas da Comil, Mateus Borges Knapp, a proposta é oferecer um pacote de valor ao cliente, disponibilizando serviço diferenciado após a efetivação da venda. Recentemente,  a Rio Doce, que atende estados das regiões Sudeste e Nordeste, adquiriu 23 novos ônibus dos modelos Campione 3.45 e 3.65.

Através do Programa de Pós-Vendas, funcionários da Riodoce participaram de um treinamento de direção econômica. Em cinco dias, numa parceria entre a Comil e a Scania, os colaboradores receberam informações práticas sobre economia de combustível. “O consumo de diesel é um dos principais gastos dentro da operação”, ressalta Knapp. Além disso, os técnicos da transportadora tiveram instruções para o controle e a manutenção dos ônibus adquiridos, com o sistema Multiplex. O sistema proporciona o gerenciamento da parte técnica e operacional do veículo e possibilita o diagnóstico de possíveis problemas elétricos. “Sabemos que o tempo de ônibus parado representa um custo alto para nossos clientes e minimizar esse impacto é um dos nossos objetivos”, pontua Knapp.
 A proposta é que a iniciativa seja implementada, gradativamente, junto a todos os clientes da Comil. “Hoje, apresentar o nosso produto de forma clara e capacitar os funcionários que integram essas empresas são algumas de nossas metas, para que se sintam seguros e, acima de tudo, amparados por profissionais que não medem esforços para atingir os seus objetivos. Buscamos atender o nosso cliente através de uma marca que fornece agilidade e excelência no nosso negócio”, afirma o engenheiro de Pós-Vendas da Comil.
Os novos ônibus adquiridos pela Riodoce serviram para renovar a frota de 337 carros da empresa, que atende diversas cidades dos estados de Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Os carros contam com monitores de LCD, velcro em todas poltronas para utilização de capas descartáveis, bagageiros adaptados com contêineres para encomendas e banco para auxiliar de viagem. Em seus 34 anos de atuação, a viação já adquiriu mais de cem veículos Comil. 
A Viação Riodoce transporta, em média, 1 milhão de passageiros por mês, emprega diretamente 1,2 mil pessoas e atende 163 linhas interestaduais, intermunicipais, municipais e urbanas. Os veículos entraram em operação em fevereiro após concorrida entrega técnica. O investimento nos carros somou cerca de R$10 milhões.

Informações para a imprensa: Moglia Comunicação - (51) 3029.3249

Sabrina Silveira
sabrina@moglia.com.br - fone: (51) 9660.4212

Taís Dihl
taisdihl@moglia.com.br – fone: (51) 9912.2438

Luciana Moglia



sexta-feira, 27 de abril de 2012

Mercedes-Benz lança ônibus off road


Modelo participará de licitações para o programa Caminho da Escola 



Mercedes-Benz apresentou na terça-feira, 27, o ônibus off road OF1519R, que atenderá a demanda do Caminho da Escola. Em julho deste ano o modelo participará da primeira licitação para o programa do governo federal. Até o fim do ano a companhia espera concretizar a venda de 3 mil chassis em concorrências públicas. 

Está prevista ainda a comercialização de outras 100 a 200 unidades para outros segmentos. O foco é avançar nas áreas de turismo em regiões de difícil acesso, transporte florestal e mineração. “A Vale é um cliente potencial”, explica Gilson Mansur, diretor de vendas e marketing de ônibus da empresa para o Brasil. 

Para atender o programa de transporte escolar em áreas rurais, o chassi recebeu 12 diferenciais em relação à versão original. Barra estabilizadora dianteira e traseira, eixo traseiro reforçado, suspensão dianteira e traseira elevadas em 120 milímetros e alarme sonoro de marcha à ré são alguns deles. O modelo é equipado ainda com motor BlueTec 5, com nível de emissões dentro do permitido pelo Proconve P7. 

O novo chassi foi desenvolvido entre 2009 e 2011 e recebeu parte dos R$ 1,5 bilhão de investimentos anunciados pela companhia para o período de 2010 a 2013. O incremento no preço é de cerca de 2% na comparação com a configuração urbana. 

Mercado de ônibus 

A Mercedes-Benz começou 2012 pronta para retomar o espaço perdido no mercado de ônibus no ano passado. Entre janeiro e dezembro de 2011 a companhia entregou 7,4 pontos porcentuais de participação, para 43,1% de market share. No primeiro bimestre de 2012, a montadora já reverteu a situação, ganhou 11,7 pontos e respondeu por 51% das vendas no período, com 2,7 mil unidades.

O desempenho do ano anterior é justificado por Mansur pela falta de capacidade da fábrica para atender a demanda daquele momento. “Agora que iniciamos a produção em Juiz de Fora (MG), liberamos espaço na planta de São Bernardo, que agora está pronta para entregar um volume maior de ônibus”, explica. 

Com isso, a companhia pretende voltar a deter mais de 50% das vendas do segmento este ano. “Temos a obrigação de manter a liderança”, afirma. O executivo estima que o mercado de ônibus desacelere de 15% a 20% este ano na comparação com 2011, para cerca de 30 mil unidades. O movimento é reflexo do início do Proconve P7, ou Euro 5. 

Mansur garante que a companhia já não tem mais chassis Euro 3 no pátio, apesar da parada de 10 dias na produção de caminhões e ônibus que a empresa fará em abril na unidade do ABC paulista para ajustar os estoques. “Estes já são modelos Euro 5 que estamos fabricando desde janeiro”, assegura. Segundo ele, a Mercedes-Benz já tem cerca de mil unidades com a tecnologia BlueTec 5 comercializadas desde o segundo semestre do ano passado. 

Assista à entrevista exclusiva com Gilson Mansur, diretor de marketing e vendas da Mercedes-Benz para o Brasil:




video




Fonte: Automotive Business



Ex-sócios da Busscar fazem objeções ao plano de recuperação judicial



Tios de Cláudio Nielson buscam uma proposta que pudesse ser menos agressiva com os credores

Tios de Cláudio Nielson buscam alternativas ao plano de recuperação judicial e admitem fazer objeções à Justiça.

— 95% de deságio não é um desconto, é um calote —, afirma  o advogado Dicler de Assunção, que representa Randolfo Raiter e Valdir Nielson, ex-sócios da Busscar.

Durante cerca de 40 minutos de conversa, ele demonstra a indignação deles diante dos rumos tomados pelo plano de recuperação judicial da empresa. Não esconde que a proposta de pagar somente R$ 15 milhões da dívida que alcança os R$ 304 milhões soa absurda e que, ao contrário do que a Busscar alega, os dois terão direito a voto na assembleia de credores, em data a ser marcada pela Justiça.

Segundo o advogado, a Lei de Recuperação Judicial proíbe a votação de parentes consanguíneos ou afins, até segundo grau, como uma medida preventiva a um possível apoio à empresa por meio do voto de familiares.

— O objetivo da lei é evitar que o parente se associe com o recuperando e prejudique os credores. Mas, no nosso caso, é exatamente o contrário. Nós entendemos que não há mais o parentesco. Havia, por afinidade, da senhora Rosita – atual detentora de 95% das ações – com Randolfo e Valdir até a morte de Harold, em 1998.

Assunção argumenta que o parentesco se estabeleceu por função do casamento e se extinguiu quando o empresário faleceu.

— E na prática, é de conhecimento geral que não existe nenhuma afinidade entre os tios e a família. Eles estão brigando há mais de dez anos.

Na semana passada, uma reunião entre Assunção e representantes da Busscar expôs o que seria uma alternativa ao plano de recuperação judicial apresentado no final de 2011. Segundo o advogado, a ideia era apresentar uma proposta que pudesse ser menos agressiva com os credores e que atendesse melhor às necessidades de todos os envolvidos.

— Apresentamos reservadamente uma diretriz para a confecção de um novo plano, em acordo com os principais credores. É a única maneira de salvar a Busscar. Eles têm que tratar os credores como parceiros, não como inimigos. Quem tem um crédito,demonstra que acreditou na empresa, na administração —, afirma.

A reunião não teve resultados positivos. Assunção diz que trabalhou bastante para sensibilizar o outro lado, mas não houve uma sinalização favorável a uma revisão do plano. Agora, cogita apresentar uma objeção ao plano na 5ª Vara Cível de Joinville, responsável pelo caso, afirmando que “este é um momento muito delicado”.

Discussões na sociedade começaram em 1998

A morte de Harold Nielson, em um acidente de avião em 30 de outubro de 1998, foi o começo das discussões entre os sócios do grupo Busscar. Ao morrer, a participação de Harold no grupo foi dividida entre a esposa, Rosita, e os filhos, Cláudio e Fábio. Valdir, irmão de Harold, e Randolfo Raiter, cunhado, eram sócios minoritários e tocavam, respectivamente, a HVR e a Tecnofibras.

Com o relacionamento ficando cada vez mais difícil na sociedade, o grupo chegou a um acordo de venda das ações no começo de 2002. Criou-se, então, a Nienpal Empreendimentos e Participações, controladora da Busscar e demais empresas da família.

O atraso no pagamento das parcelas fez com que o acordo fosse parar na Justiça. Agora, enquanto Assunção alega que o pagamento de R$ 246 milhões está acertado desde 2003 e que os R$ 304 milhões correspondem aos juros e correções monetárias garantidos em ação, o advogado que representa a Busscar, Euclides Ribeiro S. Júnior, diz que a Nienpal teria somente R$ 17 milhões a pagar. Ele contesta também o direito de voto dos tios de Cláudio na assembleia de credores, argumentando que parentes não terão direito a voto por terem interesses que possam prejudicar a recuperação da empresa.

Ciferal Amazonas X Ciferal Padron Briza - A eterna rivalidade SP X RJ




Bom pessoal, trago agora a história e as miniaturas de dois clássicos da Ciferal: Amazonas e Padron Briza. Mas porque trazê-los em dose dupla?

Pra começar, os dois modelos surgiram de um único projeto, o Projeto Amazonas. Em 1981, é lançado o Ciferal Amazonas, na versão trólebus ( também foram produzidas poucas unidades com motor diesel). A maior parte pertenceu a CMTC, de São Paulo. Estranhamente, ele não foi usado no Rio ( de acordo com minhas informações ), mesmo a Ciferal sendo carioca.

Ciferal Amazonas Scania BR-116 da CMTC






Comil mira o mercado nordestino


Imagem inline 1

Comil mira o mercado nordestino

Uma loja especializada em vendas de ônibus da Comil, peças de reposição, assistência técnica e reformas de veículos. Assim pode ser definido o Shopping do Ônibus, novo estabelecimento comercial inaugurado em Recife (PE), em abril. O projeto foi estruturado pelo empresário Paulo Cordeiro, representante da Comil Ônibus no Nordeste, em parceria com a empresa. A loja atenderá a demanda de serviços de toda a região, englobando os estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe. “Através dessa estrutura, a marca torna-se cada vez mais presente no dia a dia dos seus clientes, oportunizando, assim, um atendimento de pós-venda mais ágil e eficaz para esse mercado em especial”, afirma Cordeiro. 

Pernambuco vive um grande momento de crescimento econômico e social, mobilizado pelas obras da Copa do Mundo de 2014, que terá Recife como uma das cidades-sede do evento. O governo estadual está investindo pesado em obras do Programa de Mobilidade, como a construção do Corredor Leste-Oeste e também do Terminal Integrado Cosme e Damião e do Ramal Cidade da Copa. As empresas do setor de transporte coletivo da cidade de Recife pegam carona nesse bom momento, renovando suas frotas e atendendo a população com um serviço de qualidade. O crescimento da Comil na região está atrelado a esses fatores e também ao atendimento diferenciado de pós-vendas.

No evento de inauguração, ocorrido no dia 26 de abril, estiveram presentes cerca de 200 convidados, entre clientes e o time de gerentes da Comil, de Erechim (RS). “Nossa expectativa de vendas é grande, levando em consideração o crescimento da região e a grande demanda por esse tipo de serviço no Nordeste”, completa Cordeiro. Na ocasião, foram expostos os ônibus modelo Svelto Urbano 2012 das empresas Itamaracá, Globo e Cidade Alta, todas pertencentes ao setor de transporte público de Recife.

Volare conta com Finame Verde para manter ritmo de vendas

Companhia acredita que incentivo será anunciado até o fim de março



A Volare, divisão da Marcopolo que fabrica micro-ônibus completos, projeta um mercado estável este ano, sem quedas com o início do Proconve P7, novo etapa do programa de emissões para veículos comerciais. A expectativa, no entanto, está vinculada a criação doFiname Verde, linha de crédito do BNDES para a aquisição de modelos menos poluentes. O incentivo não está confirmado, mas já é pleiteado pelas montadoras desde o ano passado para amenizar a queda de vendas prevista por conta do aumento do preço dos veículos.

Milton Susin, diretor da Volare, afirma que o anúncio do Finame Verde é essencial para evitar que as vendas decresçam. Segundo ele, com o financiamento o setor de micro-ônibus terá condições para reproduzir este ano os volumes de vendas registrados em 2012, de 7,5 mil unidades.

A fabricante que, segundo o executivo detém participação de 60% no segmento, poderá comercializar até 4,7 mil veículos. “Esperamos queda na demanda durante o segundo trimestre. Já a previsão para o segundo semestre é de forte aceleração. Tudo isso depende, claro, da definição da linha de crédito voltada ao setor”, explica o dirigente.

Para os fabricantes de caminhões e ônibus, o ideal é que a linha especial do BNDES financie até 100% do valor do veículo, com taxa de 7% ao ano e prazo de até 10 anos. Susin afirma que a expectativa do setor é de que o incentivo seja anunciado em março. “Sem isso as vendas serão prejudicadas”, acredita.


Volare está otimista com Euro 5


Companhia já vendeu 100 ônibus com a tecnologia



A Volare apresentou sua linha de micro-ônibus equipada com tecnologia para atender a nova etapa da legislação de emissões para veículos comerciais, Proconve P7, ou Euro 5. A apresentação marca o início efetivo das vendas dos novos modelos, uma vez que o estoque de Euro 3 já foi comercializado. A expectativa para a nova fase é positiva mesmo com o aumento de 11% a 13% nos preços. 


A companhia aposta que este ano o mercado doméstico de micro-ônibus será igual ao de 2011, com 7,5 mil unidades. Neste cenário, a Volare pretende repetir o número do ano passado, de 4,7 mil veículos vendidos no País. O primeiro bimestre foi positivo, ainda impulsionado pelo emplacamento de modelos Euro 3. Milton Susin, diretor da empresa, afirma que o estoque de 700 veículos acabou no início de março. Foram comercializados ainda outros 100 ônibus Euro 5.

Depois do acelerado início de ano, a fabricante espera arrefecimento no segundo trimestre. “Todo mundo fala de antecipação das compras, mas ninguém cita a postergação de compras”, lembra o executivo. Segundo ele, até o meio do ano os clientes devem se manter em compasso de espera, sem a opção por adquirir ônibus Euro 3, mas ainda aguardando a consolidação do Proconve P7, com ampliação da distribuição de diesel S50 e do reagente catalítico Arla 32. 

Já no segundo semestre a demanda deve voltar a ficar aquecida. “As compras não podem ser adiadas para sempre”, lembra. A expectativa está relacionada à definição do Finame Verde, linha de financiamento voltada aos veículos com a tecnologia de emissões (leia aqui). O objetivo seria amortecer o impacto do aumento de preço dos novos caminhões e ônibus. A oferta do crédito, no entanto, ainda não foi confirmada. 

LINHA EURO 5 

Cummins e MWM International são as fabricantes dos motores Euro 5 com sistema SCR de tratamento de gases que equipam os novos micro-ônibus da Volare. Os veículos tiveram ganho superior a 10% em potência. Além do propulsor, a única mudança na linha foi a grade dianteira, que ganhou novo desenho para identificar as unidades com a tecnologia de emissões. 

Desde o início de 2011 a companhia treina a rede de concessionárias para comercializar os modelos. Entre os argumentos de venda está a durabilidade até 20% superior e o intervalo maior entre as revisões. Além disso, a empresa garante que os novos veículos têm consumo de combustível entre 8% e 12% menor. O investimento em Arla 32, solução necessária para fazer funcionar o sistema SCR, abate parte da economia. Ainda assim, a fabricante garante que há redução de 2% a 3% nos custos. 


video



Fonte: http://www.automotivebusiness.com.br/noticia/13419/Volare%20est%C3%A1%20otimista%20com%20Euro%205

Volare desenvolve miniônibus para serviços de segurança pública


Modelos V8 e W9 Fly servem transporte carcerário e como delegacia móvel 
 

A Volare, uma das unidades de negócio da Marcopolo, apresentará dois modelos de miniônibus destinados a serviços de segurança durante a Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa (LAAD 2012): o modelo V8, desenvolvido especificamente para o transporte de presidiários em audiências e transferências, e o W9 Fly, equipado como delegacia policial móvel.
O V8 tem interior dividido em dois ambientes, um com compartimento para escolta de até sete policiais e outro com dois habitáculos separados com parede de chapa de aço, cada um para o transporte de até oito pessoas. O veículo é equipado com motores Cummins ISF 3.8 Euro 5.
Segundo o diretor executivo da Volare, Milton Susin, os ambientes são monitorados via internet por meio de GPS e sistema 3G. “O veículo dispõe ainda de equipamentos de filmagem interna e externa com áudio, sistema de gravação e sinalização usual de última geração de LED”, explica.
Já a delegacia móvel W9 Fly, com motor MWM Maxxforce 4.8 Euro 5, é equipada para atender o comando da polícia federal rodoviária, com sala de monitoramento e reunião, câmera de vigilância de 360 graus com mastro de nove metros de altura, guichês com cadeiras para atendimento, computador portátil, rádio transceptor e sistema de internet sem fio, além de itens de conforto, como TV de LED, telefones, frigobar, bebedouro, cafeteira expressa, cama para repouso e banheiro.
Os veículos serão apresentados durante a LAAD 2012, que acontece de 10 a 12 de abril nos pavilhões do Riocentro, no Rio de Janeiro.



Fonte: http://www.automotivebusiness.com.br/noticia/13634/Volare%20desenvolve%20mini%C3%B4nibus%20para%20servi%C3%A7os%20de%20seguran%C3%A7a%20p%C3%BAblica

Caio Induscar entrega primeiras unidades com motorização Euro V






A encarroçadora de ônibus Caio Induscar iniciou a entrega de carrocerias urbanas com motorização Euro V para o estado de São Paulo.

O primeiro modelo que vai atender as legislações para redução da emissão de poluentes é o Apache Vip, líder nas vendas da encarroçadora e do Brasil.

O Apache Vip, desde o seu lançamento, oferece para as frotas e usuários novas tecnologias, resistência e alta produtividade, que o tornaram tradicional e referência em carrocerias urbanas do país.

Para a direção da encarroçadora, acompanhar e antecipar o desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias faz parte da sua visão de ser referência com soluções inovadoras.

Suplementares Bh Trans








  • Ligação Entre Bairros

    Considera-se Serviço Público de Transporte Coletivo Suplementar de Passageiros a modalidade que, sob parâmetros diferenciados, complementa o sistema municipal de transporte público coletivo de passageiros.

    Criado em 14 de setembro de 2001, pelo então prefeito Célio de Castro, o sistema começou a operar em 15 de setembro, quando a linha S60 (Circular Venda Nova) passou a circular. No processo licitatório foram classificados 300 concorrentes, de um total de 1.264 inscritos, para trabalhar nas linhas criadas. Todas as linhas fazem ligação entre bairros sem passar pelo centro da cidade, cumprindo horários e itinerários determinados pela BHTRANS. O serviço conta com uma frota de 285 veículos que fazem 25 linhas, transportando, em média, 3.038.990 passageiros por mês.

    Nos principais corredores da cidade os motoristas deverão obedecer os pontos de embarque e desembarque existentes. Nas vias locais os usuários poderão embarcar e desembarcar em qualquer ponto, desde que seja respeitada a regulamentação do Código de Trânsito Brasileiro.

    Todos os veículos autorizados a operar no Transporte Suplementar passam por rigorosa vistoria na BHTRANS e têm o cumprimento de seu quadro de horários e itinerários fiscalizados pela empresa. No ano de 2009 foram realizadas 650 operações de fiscalização que acabaram por fiscalizar 7253 veículos, ou seja, cada um dos 285 veículos do sistema foram fiscalizados mais de 25 vezes ao ano em média. Um total de 1097 linhas fiscalizadas, perfazendo uma média de mais de 43 vezes em que cada linha foi fiscalizada no ano. O total de notificações emitidas por descumprimento do regulamento do serviço foi de 525.

    Tarifas para o Transporte Coletivo Suplementar
    Tarifa Atual (R$)Tarifa Reajustada (R$)
    1,751,85
    2,002,15
    2,452,65


Quem quer comprar????

Mercedes bens 1313; ano 1988, carroceria de aluminio valor 15,000,00 contato willams 8388119594 ou Willamsvan@gmail.com

Agrale desenvolve primeiro Chassi para miniônibus 4x4 do mercado brasileiro


Sistema do Volare Escolarbus 4X4 foi desenvolvido em tempo recorde e contou com a experiência na fabricação dos utilitários militares Agrale Marruá
 
A Agrale, líder nacional na produção de chassis leves, desenvolveu o primeiro sistema de tração nas quatro rodas do mercado brasileiro para miniônibus. Lançado em fevereiro deste ano, o chassi com encarroçamento Volare Escolarbus 4X4, foi concebido para trafegar em locais de difícil acesso onde um veículo com tração convencional não tem condições de ser utilizado.
 
Segundo Pedro Soares, diretor técnico da Agrale, o projeto foi desenvolvido em parceria com a Volare para atender à demanda do programa Caminho da Escola para o transporte de estudantes na zona rural. “Foi um trabalho no qual utilizamos a nossa experiência na fabricação de utilitários militares 4x4 para conceber esse novo projeto. O resultado foi um modelo com sistema de tração muito robusto e que pode trafegar com segurança e tranquilidade por locais sem pavimentação, de difícil acesso e até alagados”.
 
O chassi Agrale 4x4 possui características que facilitam a condução, mesmo em locais sob condições severas. Tem ângulos de entrada e saída maiores, distribuição de peso diferenciada para melhorar a transmissão de força, e proteções especiais para o cárter do motor e para o tanque de combustível. 
 
O projeto recebeu eixo dianteiro tracionado e sistema de transmissão com a opção de utilização 4X2 (somente tração nas rodas traseiras), 4X4 (tração nas rodas dianteiras e traseiras) e 4X4 com reduzida, que multiplica o torque em baixas rotações nos dois eixos para facilitar a locomoção em percursos difíceis. As suspensões dianteira e traseira também foram recalibradas, para aumentar o vão livre em relação ao solo, sem comprometer o acesso dos estudantes.
 
É Equipado com motor MWM, com potência de 110 cv e torque de 380 Nm, câmbio EATON de cinco velocidades e caixa de transferência de dupla velocidade, com PBT de 6.650 kg.

Transporte público de Erechim recebe três novos ônibus


Imagem inline 1

Transporte público de Erechim recebe três novos ônibus

A Comil fez a entrega de três novos ônibus para a empresa Gaurama (Urbano), responsável pelas linhas de transporte público da cidade de Erechim. Os veículos, modelo Svelto, começam a circular até o final de abril e servirão para renovar a frota de 41 carros da empresa.

A Gaurama atua desde a década de 50 na região e é parceira de longa data da Comil, com 100% da frota oriunda da empresa. “Essa parceria é de extrema importância para nós. A Gaurama foi a pioneira na aquisição dos primeiros Svelto modelo 2012 da Comil”, diz João Busatta, representante da Comil no Sul do país. Os diretores João Alberto Batistus e Wilson Antônio Batistus receberam pessoalmente os carros.


quinta-feira, 26 de abril de 2012

Três ônibus BRT serão apresentados nesta quinta-feira em Florianópolis


Novo sistema de transporte promete trazer economia e agilidade aos usuáriosTrês ônibus BRT serão apresentados nesta quinta-feira em Florianópolis Divulgação/Arquivo Pessoal

Os coletivos farão a linha Canasvieiras-Centro a partir da próxima segunda-feiraFoto: Divulgação / Arquivo Pessoal

Ônibus especiais, semelhantes aos usados em Curitiba, circularão no trânsito de Florianópolis. Os três coletivos farão a linha Canasvieiras-Centro a partir da próxima segunda-feira. 
Nesta quinta-feira de manhã uma cerimônia na Associação Catarinense de Medicina, com a presença do prefeito de Florianópolis, entre outras autoridades, marcará a apresentação dos veículos produzidos no Brasil. Os ônibus futuramente irão integrar o sistema BRT (da sigla em inglês Trânsito Rápido de Ônibus), com vias exclusivas, que deverá proporcionar mais agilidade e economia aos usuários. O modelo do sistema de transporte está em fase de licitação. 
A primeira etapa de elaboração do projeto já foi concluída, assim como a segunda fase que apurou critérios técnicos e a terceira, para definir o valor do projeto, deverá ser definida até a próxima semana. O Secretário de transportes de Florianópolis, João Batista Nunes, prevê o prazo de seis meses para conclusão total da primeira etapa para implantação do sistema BRT que priorizará a linha Centro-Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 
— A empresa vencedora do processo licitatório será responsável pelas pesquisas de fluxo, roteiro, e também impactos sociais e econômicos. Ela verificará as interferências que deverão acontecer na rua Lauro Linhares na Trindade, assim como Avenida Madre Benvenuta, entre outras possibilidades. 
Nunes garante que não haverá problemas para o ônibus circular nas ruas da cidade. Maior do que os ônibus que circulam na cidade, o modelo Viale da empresa Marcopolo é o primeiro da marca a chegar no Brasil. Moderno e confortável, o veículo apresenta diferenciais, como por exemplo, espaço para bicicleta. O projeto original foi apresentado no dia 30 de junho de 2011, no Seminário de Mobilidade Urbana na Capital. Na data, o BRT de Florianópolis seria implantado em três linhas que sairiam do Centro para UFSC, outro para o Aeroporto Hercílio Luz e Continente.

Fonte: Joyce Santos




Ônibus adaptados para BRT têm dificuldades para circular em Florianópolis

Falta de corredor exclusivo com espaço para manobra restringem itinerárioÔnibus adaptados para BRT têm dificuldades para circular em Florianópolis Divulgação/Arquivo Pessoal

Cada veículo comportará 66 pessoas sentadas e outros 62 em péFoto: Divulgação / Arquivo Pessoal
A partir da próxima segunda-feira, Florianópolis contará com cinco veículos articulados que futuramente devem integrar o sistema BRT (da sigla em inglês Trânsito Rápido de Ônibus). Apesar da notícia parecer positiva, a falta de um corredor exclusivo com espaço para manobra restringem a circulação destes veículos.


A empresa Canasvieiras Transporte Coletivo apresentou na manhã desta quinta-feira, três novos ônibus adaptados para o sistema BRT. Em novembro de 2011, a Insular que começou a circular com dois ônibus semelhantes, que fazem a linha Ticen-Tirio.
A diferença em relação aos modelos convencionais é que os novos são maiores, quase o dobro dos modelos convencionais, e exigem mais espaço para manobra. Como ainda não há pistas exclusivas para circulação, estes veículos dividem espaço com carros, motos e outros ônibus convencionais. A situação é mais complicada para os BRTs que circulam na SC-405, que enfrentam diariamente tráfego intenso nos horários de pico.
Conforme a gerente da Canasvieiras, os veículos apresentados nesta quinta-feira atenderão o itinerário da linha Canasvieiras Direto, que liga o bairro do Norte da Ilha ao Centro. Como os veículos não possuem catraca, o embarque de passageiros é feito apenas nos terminais.
Cada veículo comportará 66 pessoas sentadas e outros 62 em pé, aproximadamente 20 passageiros a mais do que os articulados atuais. O investimento para renovação de parte da frota é de R$ 2 milhões, segundo ela.
De acordo com João Renato, diretor operacional da Insular, a prefeitura vem sinalizando para implantação da nova modalidade de transporte coletivo, o que fez com que a empresa já começasse a investir na renovação da frota. Um BRT custa em torno de R$ 660 mil, cerca de 1/3 a mais do que articulado convencional. 

Fase de licitação

Ainda em fase de licitação, novo modelo de transporte deve proporcionar mais agilidade e economia aos usuários. A primeira etapa de elaboração do projeto já foi concluída, assim como a segunda fase que apurou critérios técnicos. A terceira fase, para definir o valor do projeto, deverá ser definida até a próxima semana.
De acordo com o Secretário de transportes de Florianópolis e vice-prefeito, João Batista Nunes, a primeira etapa para implantação do sistema BRT que priorizará a linha Centro-Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) deve ser concluída em seis meses.
— A empresa vencedora do processo licitatório será responsável pelas pesquisas de fluxo, roteiro, e também impactos sociais e econômicos. Ela verificará as interferências que deverão acontecer na rua Lauro Linhares na Trindade, assim como Avenida Madre Benvenuta, entre outras possibilidades.

Fonte: 



Marcopolo entrega ônibus Viale BRT
Canasvieiras Transportes utilizará modelo em linhas urbanas de Florianópolis 
 



Marcopolo entregou três unidades de ônibus com a carroceria Viale BRT para a Canasvieiras Transportes, segunda viação do País a incorporar o modelo à frota. O veículo será utilizado em linhas de transporte urbano da região norte de Florianópolis. 

A carroceria demandou dois anos de desenvolvimento e busca garantir conforto, segurança e eficiência na locomoção em grandes cidades. A versão articulada pode ter até 21 metros de comprimento e capacidade para até 145 passageiros. 

O modelo tem desenho futurista e inaugura diversas tecnologias no segmento, como conjuntos óticos em LEDs e a Daytime Running Light, sistema de acendimento automático dos faróis mesmo durante o dia.